Mitos e verdades sobre intolerância à lactose

Intolerancia a lactose

Mitos e verdades sobre intolerância à lactose

 

Distensão abdominal, cólicas, gases, diarreia e até mesmo vômitos: esses são os sintomas que podem indicar intolerância à lactose, nome que se dá ao açúcar do leite. O distúrbio não tem causa conhecida e pode tanto surgir quanto desaparecer de repente.

Estima-se que 70% da população mundial tenha algum grau de limitação no processo de digestão e absorção do açúcar do leite. Essa condição está relacionada à nula ou insuficiente capacidade do organismo em produzir uma enzima, denominada lactase, para a decomposição desse elemento.

Por todos os sintomas descritos acima serem comuns a eventuais quadros de intoxicação alimentar, a pessoa intolerante à lactose pode, inicialmente, não ser tratada com a devida atenção.

Embora as causas dessa ocorrência sejam um tanto quanto nebulosas, no receio de desenvolver a intolerância, muitas pessoas estão preferindo, por conta própria, eliminar os derivados lácteos da alimentação. No entanto, essa escolha pode comprometer as necessidades nutricionais de cada um, levando à carência de cálcio, vitamina D, riboflavina e proteína.

Assim, o diagnóstico preciso, feito por um gastroenterologista, é a melhor forma de evitar problemas de digestão. Mesmo porque, ao evitar produtos lácteos sem necessidade, as pessoas também perdem muitas gostosuras que esse alimento traz à nossa rotina… #reflita.

Intolerância à lactose: será que faz sentido?

Já reparou que, ultimamente, parece que todo mundo tem intolerância à lactose? As causas podem ser tão variadas quanto as mentirinhas que contam sobre essa condição.

Para tirar o elefante branco da sala (sem nenhum trocadilho com um litrão de leite!), escolhemos as principais dúvidas sobre o assunto e fizemos um “mitos e verdades” para te ajudar a se orientar sobre o que é verdade e o que é lorota quando o assunto é intolerância à lactose.

Confira abaixo:

 

Um recém-nascido pode apresentar intolerância ao leite materno

VERDADE. O leite materno também possui lactose, mesmo que em menores quantidades comparado ao leite de vaca. Diagnosticada a intolerância do bebê, a mãe pode – e deve – continuar amamentando, desde que, nesse período, interrompa o consumo de lácteos mediante solicitação médica.

 

A lactose está presente em todos os derivados do leite

MITO. Nem todos os alimentos que possuem leite como ingrediente tem lactose. Alguns tipos de queijos, por exemplo, como a mozarela de búfala, degradam o açúcar do leite no processo de fabricação.

 

Quando o produto é “lac free”, ele necessariamente é isento de lactose

MITO. Produtos vendidos com esse rótulo são produzidos à base de leite e, portanto, vão conter lactose. A diferença é que eles já contêm a enzima que digere a lactose, a lactase, em seu processo de produção. Ou seja, é um produto que não vai atacar os sintomas do indivíduo intolerante, uma vez que já é consumido com a lactose digerida.

 

Intolerância à lactose é igual à alergia ao leite

MITO. A intolerância é causada pela produção nula ou insuficiente da enzima lactase pelo organismo, impossibilitando a digestão do açúcar do leite. A alergia, por sua vez, é uma resposta do sistema imunológico a uma ou mais proteínas do leite de vaca.

 

Quem elimina ou restringe os lácteos da dieta precisa de suplementação de cálcio.

VERDADE. A recomendação é que esse tipo de demanda seja orientada e acompanhada por um nutricionista. Como as fontes de cálcio de origem vegetal não são capazes de suprir as necessidades do organismo, o especialista deverá recomendar uma suplementação de cálcio para que o mineral seja consumido de acordo com a recomendação diária.

 

Se você desconfia que pode estar desenvolvendo intolerância à lactose ou já tem esse diagnóstico constatado, procure um nutricionista para ajustar sua dieta.

Em caso de resultado positivo, não se desespere. A Apreciare pode te ajudar nessa! Afinal, temos várias opções ZERO LACTOSE #real deliciosas, incluindo a linha +WHEY, que oferece 24g de proteína para potencializar o esforço no pós- treino de forma segura.

Tudo isso sem deixar o incrível sabor dos iogurtes de lado, é claro. A gente pode ser até intolerante à lactose, mas não somos tolerantes aos alimentos blasé! ;p